top of page

Aluguel por temporada, via plataformas digitais, não precisa de autorização por parte do condomínio


Na legislação brasileira, a locação por temporada é legalmente amparada por normas federais, destacando-se: a Lei do Inquilinato (Lei 8.245, de 18/10/1991), que instituiu a modalidade da locação por temporada em seu Artigo 48; o Direito Constitucional à Propriedade, garantido no Art. 5º, XXII da Constituição Federal; e o Código Civil Brasileiro, em especial o Capítulo V de seu Título VI, que regulamenta a locação das coisas.


A Lei do Inquilinato regulamenta a locação de imóveis, independentemente do prazo de duração. O artigo 48 da referida lei, que trata especificamente sobre aluguel de imóveis urbanos, permite expressamente que o proprietário ofereça seu imóvel para locação por temporada (aquela que se destina à permanência temporária do locatário “para prática de lazer, realização de cursos, tratamento de saúde, feitura de obras em seu imóvel”, entre outras finalidades), assim como para locação de longo prazo (períodos acima de 90 dias). Não há definição de qualquer prazo mínimo para a locação por temporada, somente o prazo máximo, que é de 90 dias.


Decisões tomadas em condomínios têm limites bem definidos, que pretendem contemplar o coletivo e devem estar em conformidade com a Constituição Federal. “Os condomínios não podem vedar o aluguel da unidade autônoma, objeto do direito de propriedade alheio. Em primeiro lugar, há expressa disposição legal autorizativa na Lei do Inquilinato. Em segundo, o condomínio não tem competência para regular tal matéria”, destaca Jorge Cesa, doutor em Direito pela Universidade de São Paulo e autor de diversos livros e publicações sobre Direito Civil.


O direito à propriedade de um condômino não é maior do que o direito de outro condômino, embora ambos estejam sujeitos aos limites legais e à Constituição. Por isso, qualquer proibição ao aluguel de um proprietário “pode ensejar abuso de direito e, como tal, ilícito gerador de indenização”, destaca Cesa.


Esse tipo de assunto pode “somente ser tratado por legislação federal”, ressalta Cristiano de Sousa Oliveira, consultor jurídico condominial, membro da Comissão de Direito Constitucional da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB-SP) e autor do livro “Sou Síndico”. Especialistas destacam, ainda, que condomínios não devem impor um período de estadia para hóspedes. “Não pode o condomínio impor período mínimo obrigatório de estadia”, acrescenta Oliveira.


É evidente que locações via Airbnb não se assemelham a serviços de hotéis, nem permitem a seus hóspedes que usem o imóvel de modo prejudicial ao sossego dos vizinhos. Por isso, respeitadas essas condições, exigidas até no Código de Conduta do Airbnb, ficam cristalinos os direitos garantidos pela Constituição Federal, de que o condômino pode exercer sua propriedade, desde que não altere a destinação do imóvel nem prejudique outros moradores, conclui o professor da UERJ. Quando se trata de aluguel por meio do Airbnb, portanto, a regra, a conveniência, a legalidade e a oportunidade são mais do que claras.


Fonte: Jota com adaptações




Comments


Posts Em Destaque
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page